Viagem Gastronômica pela Megaleite 2019

Territórios Gastronômicos visita a Megaleite 2019 para desfrutar das comidinhas gostosas de Minas.

Por Eduardo Avelar

A Megaleite 2019, o maior encontro da cadeia produtiva do leite, está acontecendo no Parque da Gameleira, até sábado (22), com várias atrações para quem gosta do ambiente rural. O público pode experimentar as comidinhas gostosas produzidas pela agroindústria familiar mineira dos vários Territórios nos stands do Sebrae-MG, além de pratos e petiscos acompanhados de uma boa cerveja artesanal, oferecidos na Vila Gastronômica por importantes estabelecimentos de BH em um ambiente gostoso e descontraído. Sugerimos, como uma boa opção de entretenimento, fazer este breve roteiro pelas delícias do Estado sem sair de BH. Se você não pode ir à Megaleite, te convidamos a viajar conosco pelos maravilhosos sabores de Minas Gerais.

Comitê de Boas Vindas- Stands do Sebrae

Logo na entrada, no Stand da Mineiraria, fomos recepcionados por produtores de geleias, biscoitos, molhos, queijos, cafés e conservas. Eles nos deram as boas-vindas com seus produtos de alta qualidade, frutos de um belíssimo trabalho que vem sendo desenvolvido em Minas há alguns anos e crescendo vertiginosamente, cujas comprovações são a qualidade cada vez maior dos produtos elaborados e os serviços prestados pelos produtores familiares e demais empreendedores da agroindústria familiar mineira.

As geleias da Fazenda Grande de Pouso Alegre foram apresentadas ao TG em diversos sabores pela produtora Fran Cunha.

A produtora da Fazenda Grande de Pouso Alegre, Fran Cunha, destacou a importância de reforçar os trabalhos de Identidade Gastronômica a partir da origem dos produtos apresentados. Ela tem se posicionado na defesa de sua cidade, Pouso Alegre, ao assumir como uma de suas principais características a produção de morangos, doces, geleias e outros subprodutos desta fruta tão comum neste Território Gastronômico da Mantiqueira.

Logo ao lado, as produtoras Lausiane e Suely ofereceram-nos a degustação de suas fornadinhas dos Biscoitos Real, produzidos em BH, no Bairro do Barreiro. Destacamos os irresistíveis mini casadinhos com goiabada e os deliciosos e crocantes aneizinhos de polvilho com queijo – daqueles de comer um pacote inteiro sem perceber.

Sophia Andrade, da Aprocan, apresentando queijos da Serra da Canastra.

Como não poderia deixar de ser, os premiados e maravilhosos queijos Canastra deram sequência ao comitê de boas vindas. Joias de diversos produtores foram apresentadas pela sempre competente Sophia Andrade, Secretária Executiva da Aprocan (Associação dos Produtores de Queijos da Canastra), cooperativa brilhantemente conduzida pelo também premiado produtor João Leite, na cidade de São Roque de Minas.

Para harmonizar, e como ainda era cedo para as diversas cachacinhas presentes, partimos para degustar o café especial Reserva da Serra, do município de Campos Gerais, também no sul do Estado, no Território da Mantiqueira, e tomamos uma aula de cafés especiais com o Bruno. Muita informação e conhecimento sobre um dos principais produtos de exportação de Minas e do Brasil, e nos preocupamos com o alerta feito pelo jovem produtor sobre a sombra que os cafés especiais vietnamitas estão criando para nossos grãos brasileiros. Mas este é um assunto para outra ocasião.

Ver Também: Café: o grão que conquistou o mundo

A cidade de Perdões, localizada no sul do Estado, ainda no Território Gastronômico da Mantiqueira, esteve presente com os doces de leite do Sítio São Domingos, cuja qualidade é atestada pela bela textura e sabor delicado, segundo seu produtor, Welysson, pelo convite recebido para participação no concurso de doces de leite que é realizado anualmente em Juiz de Fora-MG.

O Território Central também marcou outra presença, além dos biscoitos de BH: os representantes da LaPimentaria. Trouxeram seus molhos de pimentas elaborados com três qualidades de frutas exóticas, produzidas por eles em Ouro Preto. A Jalapeña mexicana, com o delicioso e equilibrado molho defumado de médio ardor e o molho clássico vermelho, também de médio ardor.

Mas a atração, ainda presente em nossa lembrança e nossas papilas, pela sua força e ardência progressiva (que até parece nunca deixar de crescer) foi o molho Cão Chupando Manga, da pimenta indiana Bhut Jolokia.

A propósito, se você quiser experimentar, a LaPimentaria estará presente conosco no stand dos Territórios, no evento Aproxima, que acontecerá no próximo dia 29 no BH Shopping, quando será homenageada a Dona Lucinha e seu legado gastronômico cultural. Sobre estes molhos, prometemos uma visita na fábrica para trazer mais informações para vocês em breve.

La PIMENTARIA (Foto: Divulgação)

Voltando ao roteiro da Megaleite 2019 no Parque da Gameleira, e ainda no Stand da Mineiraria, conhecemos um novo trabalho que nos chamou a atenção pelo seu alcance social e econômico.

Um trabalho que nos remeteu à recente visita que fizemos à região da Provence, no sul da França, em uma pequena comuna denominada Alphille, que fica entre importantes grifes provençais de produção de vinhos, doces, queijos e azeites como Les Baux, Aix en Provence e Avignon.

Por lá, para mostrar ao mundo que eles também existem como gastronomia, pois sua história é lembrada como a região que acolheu o artista holandês Van Gogh, eles têm desenvolvido a grife “Made in Alphille”, envolvendo diversos produtores e empresários locais para reforçar e promover a qualidade e a consequente comercialização com agregação de valor em suas produções da agroindústria.

Por aqui, o belo trabalho da dupla Fábio Pádua e Breno Henrique em sua agroindústria de conservas, estabelecida na cidade de Santo Antônio do Amparo, também na região sul, envolve diversos produtores de legumes, cogumelos e hortaliças, e nos alegrou profundamente, pois reforça o nosso mantra de que a gastronomia está se transformando em um importante gerador de desenvolvimento econômico, gerador de emprego e renda e principalmente indutor de turismo de experiências.

Um mantra como em um canto gregoriano, monofônico e repetitivo, alertando para o esgotamento em poucos anos de nossa atividade econômica maior – a mineração – e apontando para o futuro, através da nossa afinidade e vocação para o campo e a mesa, para o agronegócio e o turismo gastronômico como indutores da economia mineira, assim como acontece coincidentemente na região da Provence na França e em outros destinos consagrados do turismo gastronômico mundial.

E por falar neles, por lá sempre nos perdemos nos caminhos em busca de experiências, e por aqui não foi diferente, pois então voltemos à Megaleite.

Próxima Parada – Projeto Origem Minas

E vejam vocês que estávamos ainda na entrada da Feira. Logo fomos recepcionados pelos deliciosos sucos de frutas vermelhas, produzidos pelo casal Rosana e Luiz do Sítio Juranda, da cidade de Campestre. Mais uma bela história de empreendedorismo no campo com resultados maravilhosos. As amoras, framboesas e mirtilos produzidos no sitio já ganharam o mundo através de suas geleias, sucos e até mesmo na forma in natura, e tem chamado a atenção de chefs de cozinha que já fazem parte do seleto grupo de clientes da Juranda. Presença garantida em quase todas as feiras mais importantes da capital e do interior do Estado, as fresquíssimas frutas vermelhas, acompanhadas pela simpatia e competência do casal, são sempre atrações especiais nestes eventos.

Na sequência, ainda viajamos por vários Territórios no stand Origem Minas, do Sebrae – MG. Mais queijos da Canastra, desta vez com os pães de queijo assados na hora e recheados com o próprio Canastra gratinado e derretido em uma racleteira. Um show.


Queijos premiados são algumas das principais atrações da
agroindústria na Megaleite 2019.

A seguir, fomos apresentados aos queijos Senzala de Sacramento do Território do Cerrado – Triângulo Mineiro, recentemente campeões do mundo. Degustamos saborosas versões maturadas e defumadas.

Para fechar na sobremesa desta primeira etapa, visitamos os já famosos pés de moleque do parceiro e amigo Armando, produtor do município de Betim, no Território Central. Novidades vindo por aí, preparados naqueles tachos do Armando: uma cocada escura que vai dar o que falar.

Ao final da peregrinação pelos stands de coisinhas gostosas da agricultura familiar, chegamos ao agradável ambiente da Vila Gastronômica, onde diversas opções de pratos são oferecidas por grandes restaurantes, bares e lanchonetes da capital. Entre eles, estava Peixaria Classe A, com seus peixes e frutos do mar sempre frescos, nas versões fritinhos e crocantes e em um delicioso bobó preparado pela empresária e cozinheira de mão cheia Beatriz. Completam a lista de pratos e comidas gostosas: hambúrguer, espetinhos e, é claro, o delicioso chope artesanal mineiro.

Vila Gastronômica

Assim, chegamos ao final deste roteiro pelos Territórios Gastronômicos de Minas, em um giro de poucas horas recheado de emoções pela Megaleite 2019.

Que alegria em rever amigos produtores. Que orgulho pelo sucesso de cada um desses artistas empreendedores e que prazer desfrutarmos de tanta coisa boa.

Gostaríamos de deixar um registro sobre a importância do trabalho coletivo que está sendo realizado nas diversas entidades e nos governos Municipais, Estadual e Eederal, aqui e em outros Estados do Brasil, para promover e valorizar este ouro que é a gastronomia neste país, especialmente em Minas Gerais, que tem a cozinha e a mesa em seu DNA.

Parabéns às entidades de assistência técnica, que apoiam os principais atores deste segmento da alimentação em toda sua cadeia de valor, do cultivo ao consumo. Aplausos para entidades como Emater-MG, Epamig, Secretaria de Agricultura e tantos outros parceiros, entre os quais destacamos o trabalho incansável do Sebrae-MG para incentivar e implantar conceitos e orientações valiosas de empreendedorismo, entre outras, para proporcionar o crescimento do trabalho, o empoderamento e aperfeiçoamento profissional desta turma que trabalha de sol a sol para colocar produtos de qualidade e saudáveis em nossas casa.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.