Faça seu próprio Sanduíche Dinamarquês à mineira

Por Danilo Simões*

Hoje gostaria de falar sobre o sanduíche, esta iguaria que agrada aos mais diversos paladares e que pode ser representado por um misto quente, um hambúrguer ou um pão de queijo com pernil.

John Montagu, o quarto Conde de Sandwich, inspirou o nome da iguaria cujos mais diversos ingredientes são envolvidos por duas fatias de pão. Diz a lenda que o John Montagu IV, tinha grande paixão por jogos e não queria interromper a jogatina para se alimentar, logo, o sanduíche foi perfeito pela praticidade e facilidade de consumo.

Mas o que quero falar hoje são dos sanduíches abertos. Muitos desconhecem os deliciosos Sanduíches Dinamarqueses, conhecidos como “Smorrebrod” ou simplesmente como “Smorr”.

Em 2001, ministrei uma aula no Festival Boa Mesa, um grande evento gastronômico em Belo Horizonte. Hoje, por acaso, me recordei disto e gostaria de divulgar estes sanduíches escandinavos, tão pouco conhecidos por aqui. Tenho contato com dinamarqueses desde a minha infância: meus amigos e vizinhos eram netos do grande agricultor e queijeiro, dono de fábricas famosas no Sul de Minas e pioneiro na produção de queijo na região, o Sr. Hans Norremose.

Vamos ao “Smorr”: um sanduíche aberto que deve ser preparado na hora para evitar ressecamento, com os ingredientes preferencialmente em temperatura ambiente para preservar o melhor sabor – devido ao frio dos países nórdicos, é comum o uso de gordura. No preparo, que fazemos em primeiro lugar é espalhar manteiga amolecida sobre a fatia de pão (é muito comum o uso de pão sueco, pão preto alemão, pão de centeio, pumpernickel, ou mesmo um pão branco). A maionese pode ser usada, mas penetra no pão e pode torná-lo amolecido. Todo e qualquer ingrediente pode ser utilizado para fazer uma composição harmoniosa sobre a fatia de pão, como ervas, limão, hortaliças, caviar, salmão defumado, rosbife, camarão, aliche, repolho roxo, patê de fígado, entre outros.

O que proponho hoje é utilizar a criatividade e criar o “Smorr” mineiro. Um sanduíche aberto de pão de queijo com pernil, cebola roxa, óleo de pequi e queijo Minas derretido realmente seria uma iguaria deliciosa, além de tantos outros ingredientes da nossa terra que podem compor os mais diversos sanduíches abertos baseados na técnica dinamarquesa.

Danilo Simões
Chef de gastronomia, biólogo e professor na Faculdade Estácio de Sá.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Likes:
11 0
Views:
241
Article Categories:
Coluna