Osvaldinho dos queijos de Alagoa: novo colaborador do Territórios Gastronômicos

Acompanhe a partir de hoje as histórias e causos contados pelo Oswaldinho de Alagoa, em sua loja na pequena cidade da Mantiqueira, para o deleite dos visitantes de se dirigem à sua loja, e que agora serão contadas aqui no TG para vocês.

Acompanhe a partir de hoje as histórias e causos contados pelo Oswaldinho de Alagoa, em sua loja na pequena cidade da Mantiqueira, para o deleite dos visitantes de se dirigem à sua loja, e que agora serão contadas aqui no TG para vocês.

A partir de hoje, contamos com mais um colaborador de peso da gastronomia brasileira. Trata-se de um dos mais emblemáticos personagens da nova geração de profissionais do mundo do queijo artesanal. Osvaldo…., ou simplesmente Osvaldinho de Alagoa, é o pioneiro na comercialização de queijos artesanais pela internet e responsável direto pela promoção dos produtos e da marca dessa região certificada de queijos artesanais mineiros.

Um trabalho digno de aplausos, que tem proporcionado reconhecimento e desenvolvimento econômico e social para as famílias de pequenos produtores familiares dos Queijos Artesanais Certificados de Alagoa graças a uma divulgação permanente e comercialização incansável, inclusive colecionando títulos nacionais e internacionais, cujos diplomas e medalhas são motivo de orgulho e enfeitam as paredes da pequena cidade do Território Gastronômico da Mantiqueira, em Minas Gerais.

Osvaldinho, com sua linguagem peculiar, trará mensalmente notícias dos produtos , produtores e outras mineirices de sua querida Alagoa.

Veja Também: Saiba mais sobre as histórias do Osvaldinho e os queijos de Alagoa

Desfrute das histórias e causos desse amigo queijeiro e importante personagem das nossas cozinhas.

Mesa: use esta rede social!

Por Osvaldinho de Alagoa*

Em qualquer lugar do interiorzão de Minas Gerais que você chegar certamente vai ter uma fumacinha saindo pela chaminé. Conforme for se aproximando, alguns cachorros vão começar a latir. Se você for conhecido, pode abrir as porteiras. O anfitrião vai cumprimentar:

-Dia, se for de manhã.

-Batarde, se for depois do almoço. E vai emendar: vamo chegá!

A gente pouco usa a sala de estar. A gente usa mais a cozinha. É lá que tem fogão a lenha, tem pia, tem panela, tem caneca, tem prato, tem colher. E é lá que fica a mesa. Geralmente, as mesas são grandes. Uma porção de cadeiras em volta. Tem mesa que tem até umas bancas de madeiras em volta. Caso as cadeiras não sejam suficientes, senta na banca e encosta na parede.

Em cima da mesa, certamente vão colocar um queijo e uma faca. Uma buscada no fogão a lenha e lá vem um bule de café. Daí pra frente a prosa fica a cargo da sua imaginação! Parece saudosista esta introdução? Mas ainda é contemporânea.

Tanto que uma empresa aérea holandesa chamada KLM serviu uma ceia no aeroporto de Amsterdã colocando 20 banquinhos azuis. A mesa ia descendo conforme as pessoas sentavam. Quando todos os bancos estavam ocupados a mesa ficou no nível adequado para servir. Pessoas que não se conheciam vinham e iam para destinos diferentes, celebraram e confraternizam sentadas à mesa!

Percebe a importância da mesa? As pessoas conversam, se conhecem, descobrem, se divertem, aprendem, ensinam, aconselham, compartilham experiências e contam histórias. A mesa é uma rede social que precisa ser mais compartilhada, mais acessada, mais respeitada.

Não espere por uma mesa do aeroporto da próxima vez que passar por Minas Gerais, ou até mesmo na mesa da sua casa, experimente colocar o celular no silencioso deixando-o de lado um cadinho para aproveitar e trocar uns dedos de prosa com quem está sentado à mesa. Esse simples ato lhe proporcionará aprendizados incríveis!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.