O toque feminino no universo dos cafés especiais

Na segunda parte da série A Origem do Nosso Café, quem ganha destaque é uma mulher que se encantou pelas notas sensoriais que os grãos bem trabalhados podem trazer na xícara. Confira na coluna do Coffee & Joy.

Na segunda parte da série A Origem do Nosso Café, quem ganha destaque é uma mulher que se encantou pelas notas sensoriais que os grãos bem trabalhados podem trazer na xícara. Confira na coluna do Coffee & Joy.

Por Débora Reis, Coffee & Joy*

Em um intercâmbio fora do Brasil, Liana, da Fazenda Venda Nova, percebeu o quanto o produto brasileiro era valorizado lá, além das várias opções disponíveis e o tratamento diferenciado que as pessoas e lojas davam ao café especial.

De volta a Minas Gerais, ela se casou com João, que já era proprietário da Fazenda Venda Nova e que continuava a tradição da sua família, que cresceu no campo. Foi a partir desse momento que Liana começou a acompanhar a produção de café e também a estudar sobre como produzir cafés especiais de qualidade.

O encantamento pelas notas sensoriais que o café especial pode trazer, o apreço e carinho são motivadores para ela continuar cuidando sempre da fazenda e também produzindo cafés de qualidade.

A Fazenda Venda Nova fica na região cafeeira de Matas de Minas, na cidade de Santa Margarida, em Minas Gerais. A propriedade está a 900 metros de altitude e grãos de diversas variedades são cultivados na fazenda.

Sérgio Miranda e seu Bidu ao fundo, no terreiro suspenso na Fazenda Venda Nova ( Foto: Coffee & Joy)

Com a ajuda do gerente da Fazenda, seu Bidu, e do Juninho, o trabalho na propriedade é tocado ano a ano. Em 2016, iniciou-se a produção de cafés especiais e as mudanças realizadas foram positivas.

Seu Bidu seleciona os talhões da lavoura e colhe os grãos na medida em que eles chegam ao ponto ideal de maturação. Depois, os grãos são selecionados, lavados e secados em terreiro suspenso.

Débora, Liana e Sérgio acompanham o trabalho na fazenda ( Foto: Coffee & Joy)

Na época da colheita, que é feita manualmente, Liana conta com a ajuda de mais pessoas e famílias na lavoura. A inspiração para produzir um bom café vem, também, das pessoas que trabalham lá, juntas, para obter uma excelente qualidade na xícara.

Para cuidar da natureza, a mata virgem da região é mantida em alguns pontos da fazenda e Liana já cultivou novas plantas nativas da região, inclusive frutíferas.

Um pouco do trabalho feito na fazenda pode ser visto em vídeo.

O cuidado direto de pessoas competentes e dedicadas, somado à escolha do talhão correto e com uma colheita realizada no tempo certo de maturação do grão, confere ao café da fazenda Venda Nova a uniformidade e a qualidade que são esperadas de um café bem trabalhado.

As nuances que os cafés especiais podem trazer e que encantam a produtora Liana também encantaram a nossa equipe, quando nós selecionamos os cafés da Fazenda Venda Nova.

Todo o trabalho realizado por pessoas apaixonadas com o que fazem resultou em um café especial incrível na xícara! Ele é da variedade Catuaí Vermelho, secado em terreiro suspenso. Além disso, o sabor do café é adocicado e frutado com notas de chocolate, morango, amora e melão. O café produzido por Liana recebeu o nome de Tulipa das Matas, uma homenagem à delicadeza e ao encantamento da produtora e à região cafeeira que deu origem a esses grãos (Matas de Minas). É um orgulho poder compartilhar essa sensação com todo mundo!

Conteúdo postado originalmente em Coffee & Joy: O toque feminino no universo dos cafés especiais

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Likes:
0 0
Views:
223
Article Categories:
Coluna