Aprenda a fazer maçã do amor: a doce estrela das festas no interior

Uma receita bem simples e nunca sai de moda, que nos remete às tradicionais festas e quermesses pelo interior de Minas e do Brasil.

Uma receita bem simples e nunca sai de moda, que nos remete às tradicionais festas e quermesses pelo interior de Minas e do Brasil.

Maçã do amor

Da Série: Doces dos Quintais de Minas Gerais*

Ingredientes:

– 5 maças pequenas, bem vermelhas e ácidas.

– 3 xícaras (chá) de açúcar

– 30 gotas de anilina (comestível) vermelha

– Palitos de picolé ou de churrasco

Preparo:

Lavar e enxugar as maçãs. Retirar o talo da fruta e pôr no lugar, bem firme, o palito de picolé ou de churrasco, e separar. Em uma panela pequena e funda, pôr o açúcar. Levar ao fogo baixo. Mexer até o açúcar derreter e formar uma calda lisa, sem grãos e clara. Retirar do fogo e acrescentar a anilina, até obter a cor desejada. Em seguida, mergulhar as maças na calda, uma a uma. Deixar esfriar bem, para que o caldo endureça.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 20200710163845918096o.jpg


*Receita fornecida por Ceci Corrêa Gonçalves Becker, da Serra do Cipó para o Projeto Sabores de Minas

Segredo de conquista

Se festa junina lembra romance e casamento na roça, nada mais apropriado do que a famosa maçã do amor. É atrás da receita que enlouquece os apaixonados que os viajantes pegam a estrada rumo a Serra do Cipó (antiga Cardeal Mota), distrito de Santana do Riacho, a 95 quilômetros de BH. A região, que dispensa comentários no quesito beleza natural, é também poética. A equipe chega à casa de Ceci Corrêa Gonçalves Becker e, logo na entrada, percebe que ela é uma romântica de mão cheia.

As flores do jardim formam um portal que encanta as visitas. Já na cozinha, a decoração fica por conta da mesa decorada em vermelho. É nessa parte da casa que se encontram as reluzentes maçãs do amor. “Antigamente, nas festas juninas, os meninos compravam a fruta cristalizada só para se aproximar da amada”, suspira Ceci, que é a responsável pelo quitute nas quermesses da Igreja de Santa Terezinha. Aparentemente, a receita não tem segredos.

“Basta pôr açúcar e anilina. Só não pode usar água”, avisa. Mas a magia está no preparo. “Para conquistar o amado, enquanto o melado derrete, é bom se concentrar e rezar para o casamenteiro Santo Antônio”, brinca. Palavra de quem entende, pois foi no dia de São João que Ceci, à meia-noite, depois de uma simpatia, descobriu que se casaria. Mãe de três filhos, garante: “Junho é o mês de quem quer se apaixonar”.

Mapa dos Territórios Gastronômicos de Minas Gerais: O município de Santana do Riacho está localizado no Território Espinhaço/Garimpo

EA/TG – ESPINHAÇO/GARIMPO

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.