Camarão mineiro uai, porque não? veja uma receita do chef Danilo Simões

Camarões mineiros?

Por Eduardo Avelar*

Isso mesmo, amigos da cozinha!

Para os desavisados, ou para aqueles críticos mais afoitos, antes que se manifestem, que tal conhecerem um pouco mais sobre a rica e surpreendente gastronomia de Minas Gerais?

Por aqui em Minas, apesar de não termos mar e estarmos bem distantes do litoral, nós temos algumas regiões onde os crustáceos são bem populares, com pratos e receitas tradicionais, preparados com camarões e lagostas de rio ou pitus. Alguns são nativos dessas regiões, pescados por lá mesmo e outros são produzidos em criatórios.

Lagostas e Camarões do Leste Mineiro – Território Gastronômico dos Rios

Nos 3 rios localizados no leste do Estado, já tivemos pitus ou lagostas de rio em abundância, antes das construções das barragens no Jequitinhonha, na cidade de Salto da Divisa, e no Mucuri, na cidade de Nanuque.

Ma se subirmos o rio Mucuri um pouco mais, no distrito de Mairink, no município de Carlos Chagas,-a terra do boi e do queijo parmesão, das farinhas, polvilhos e biscoitos, existem escondidos nas matas ciliares da pequena e simpática colônia de pescadores, uma grande quantidade de minúsculos camarões , semelhantes àqueles encontrados nas proximidades de Belém no Pará.

Já na cidade de Nanuque, quase divisa do estado com o sul da Bahia, pratos como moqueca de pitu entre outros pescados são comuns e bem tradicionais, mesmo estando a cerca de 100 km do mar. Mas não pensem que eram importados da Bahia como acontece agora, pois ha algum tempo que eles vem desaparecendo das pedras do rio, estando quase extintos, após a construção de uma barragem poucos km rio abaixo.

É o mesmo caso das cidades de Aimorés e Resplendor no Rio Doce, próximo da divisa com o Espírito Santo, onde a lagosta mineira ou lagosta de São Fidelis, que era pescada artesanalmente por armadilhas chamadas de jequis, já foi a estrela dos cardápios dos restaurantes locais, até acontecer a tragédia da Lama de Mariana, que soterrou a alegria de comerciantes e turistas que se fartavam com aquelas generosas e saborosas porções.

(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)

(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)

Camarões da Canastra e do Triângulo mineiro – Território do Cerrado

Já na região do Cerrado Mineiro, especificamente na Serra da Canastra, na represa do Rio Grande em Delfinópolis, a pesca de pequenos mas deliciosos camarões é feita artesanalmente com armadilhas rudimentares por alguns apreciadores, que alí mesmo na beira d’água preparam pratos deliciosos.

Camarões de Delfinópolis – Instagram Territórios Gastronômicos
Receita preparada com produtos da Canastra, camarões , mandioca e farinha de mandioca de Delfinópolis – Instagram Territórios Gastronômicos
Para harmonizar com o prato – Vinho Chardonnay de São João Batista do Glória também na Canastra – Instagram Territórios Gastronômicos

E não para por aí, pois na cidade de Prata, no triângulo mineiro, próximo a Uberlândia, está a maior surpresa para os apreciadores da iguaria.

Lá está a implantada a maior estrutura para criação de camarões de cativeiro em água doce do país, cuja produção há vários anos bate recordes atrás de recordes de qualidade e quantidade.

Como já matamos a curiosidade daqueles que ainda tinham dúvidas de que Minas é uma grande cozinha, cuja despensa natural é quase 100 % sustentável, sendo abastecida com os melhores produtos da terra, do ar e das águas com sotaque bem mineiro.

Então vamos ao que interessa, para os que adoram experiências nas cozinhas., convidamos o biólogo, chef e professor Danilo Simões, um especialista do cerrado, para apresentar uma de suas receitas, inspiradas neste rico bioma onde ele, ha muitos anos desenvolve as suas pesquisas no campo e nas panelas.

Camarão com legumes e limão capeta e molho de beterraba com buriti

Chef Danilo Simões

Ingredientes

1 porção

Para o camarão

100 g de camarão vermelho médio

30 ml de Cachaça

Azeite que baste

1 dente de alho

1/4 de limão capeta

Sal e pimenta a gosto

Para os legumes

1/2 rabanete em fatias finas

1/2 cenoura em fatias finas

1/4 de abobrinha em fatias bem finas

1/4 de beterraba em fatias finas

Brócolis q.b

200 ml Água

200 ml Vinagre

200 g de Açúcar

50 g de doce de buriti

Preparo

Cozinhar todos os legumes separadamente na água com vinagre e açúcar até ficarem al dente, e levemente agridoce.

Colocar o buriti e misturar até incorporar a água, com vinagre e o açúcar, se necessário acrescentar mais liquido e cozinhar por último a beterraba.

Reservar o líquido, temperar com sal e pimenta a gosto.

Colocar o azeite, refogar o alho e saltear os camarões, flambar com cachaça e perfumar com o limão capeta.

Montar os legumes e camarões no prato com o molho de beterraba e um pedaço de limão capeta.

Mapas dos Territórios Gastronômicos de Minas Gerais:

Salto da Divisa está localizada no Território Rios/ Rio Jequitinhonha

EA/TG – RIOS/RIO JEQUITINHONHA

Carlos Chagas e Nanuque estão localizados no Território Rios/ Rio Mucuri

EA/TG – RIOS / RIO MUCURI

Resplendor e Aimorés estão localizadas no Território Rios / Rio Doce

EA/TG – RIOS / RIO DOCE

Delfinópolis está localizada no Território Cerrado/Canastra

EA/TG – CERRADO/CANASTRA

Prata está localizada no Território Cerrado/ Rio Paranaíba

EA/TG – CERRADO/RIO PARANAÍBA

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.