Doce de Pequi: o rei do cerrado nos tachos de Minas

Experimente essa doçura com o sabor marcante do cerrado brasileiro

Experimente essa doçura com o sabor marcante do cerrado brasileiro

Veja Também: Bolo de Pequi – o controverso rei do cerrado

Doce de pequi

Da Série: Doces dos Quintais de Minas Gerais*

Ingredientes:

– 5 litros de leite

– 2 kg de açúcar

– 1 kg de polpa de pequi

Preparo:

Para obter a polpa de pequi, cozinhar três litros do fruto e depois raspar com uma colher.

Num tacho, levar ao fogo o leite e o açúcar.

Quando a misturar estiver grossa, semelhante a leite condensado, adicionar a polpa do pequi, que não pode estar congelada.

Para ver se está no ponto, pôr um pouco de água numa vasilha e pingar uma colherzinha do doce, deixando um minuto. Se a massa endurecer, está bom.

Desligar o fogo e bater a massa, no próprio tacho, até esfriar.

A próxima etapa será despejar o doce numa superfície e cortar em pedaços pequenos. A consistência será semelhante à de doce de leite em barra.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 20200710170808492416e.jpg
Doce de Pequi

*Receita fornecida por Eva Félix de Souza, de Caetanópolis para o Projeto Sabores de Minas

Minas no tacho

Símbolo de Minas, tradução perfeita do cerrado, fruta de mil e uma utilidades. O pequi ganha força e beleza no tacho de Eva Félix de Souza, conhecida como Eva Doceira e moradora de Caetanópolis, a 96 quilômetros de Belo Horizonte. Na terra da cantora-guerreira Clara Nunes, Eva não perde o ponto e nem desafina no doce balanço da colher de pau, remexendo a massa amarela e consistente do fruto. Quem quiser encontrá-la, basta dar um pulinho à feira de comidas e artesanato, que se repete a cada domingo, das 8h às 13h, na Praça da Matriz, no Centro da cidade.

Na sua barraquinha, ela vende, além do doce de pequi cortado em cubos, o figo recheado com doce de leite, além de doces de mamão ralado, de cidra e de laranja. Virou celebridade no pedaço e gosta da fama de seus produtos. “De boca em boca, a gente vai longe. No falar e no paladar”, filosofa, com bom humor. Mas é à beira do fogão, girando o corpo como se ouvisse música, que a doceira revela alguns segredos.

Um deles é que não se deve pôr muito pequi para fazer o doce, pois o fruto é gorduroso demais e pode atrapalhar o ponto. Se açucarar, é preciso pingar leite, aos poucos. Outro aviso: “haja braço”, na hora de bater a mistura, até que ela esfrie completamente. Mas Eva leva tudo numa boa e mantém a sua meta mensal de 30 quilos de doce. Sem dúvida, haja braço!

Mapa dos Territórios Gastronômicos de Minas Gerais: o município de Caetanópolis está localizado no Território Cerrado/Portal de Cerrado

EA/TG – CERRADO/PORTAL DO CERRADO

Veja mais sobre os sabores do cerrado

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.