Cozinha sem glúten

Glúten ajuda a dar consistência para as massas, deixando-as mais gostosas, mas também acaba gerando problemas para algumas pessoas.

Por Augusto Albertini

Desde 2003, o brasileiro está acostumado a ver nos rótulos de alimentos se o produto contém glúten ou não. Isso ocorre porque a Lei Federal de número 10.674 obriga os fabricantes a informarem se a substância está presente entre os ingredientes. No entanto, poucos sabem do que se trata.

O glúten é uma proteína presente no trigo, centeio, cevada e em derivados desses cereais, como o malte. Para a maior parte das pessoas, esses ingredientes são preciosos na hora de fazer deliciosas receitas, drinks, refeições, lanches, quitutes, doces e salgados, mas para os celíacos esses alimentos podem causar muitos problemas de saúde.

Doença Celíaca

A doença celíaca é uma reação imunológica do organismo que pode afetar o sistema respiratório, neurológico, a produção de hormônios, entre outros problemas, e prejudica a absorção de nutrientes e a saúde da pele. Um levantamento que é seguido pela Associação dos Celíacos do Brasil, em Minas Gerais (Acelbra-MG), aponta que 1% da população mundial possui esta condição. No Brasil, este número representa aproximadamente 2 milhões de pessoas.

A presidente da Acelbra-MG, Ângela de Abreu Diniz, orienta que para quem possui a doença não basta retirar o trigo, o centeio e a cevada da alimentação, pois qualquer traço ou vestígio desses alimentos já é o suficiente para oferecer sérios riscos à saúde. “Você pode comprar um pão de queijo de uma padaria. A receita dele não tem glúten, mas ele foi preparado e assado onde o glúten está presente, e isso para o celíaco é muito ruim”, constatou Ângela.

Na indústria de alimentos é comum a manipulação de ingredientes com e sem glúten no mesmo ambiente, o que causa a contaminação dos ingredientes que, a princípio, não continham glúten.

Sem o pão de cada dia

Ao se deparar com a realidade dos celíacos, muitos devem se perguntar como viver sem os deliciosos sanduíches, sem a macarronada de domingo, com o café quentinho sem o pedaço de bolo para acompanhar, no entanto há uma boa solução para tudo isso.

Atualmente, vários produtores focam no mercado de alimentos sem glúten e, para alcançarem as massas fofinhas, aeradas ou crocantes, é necessária a combinação de diferentes tipos de farinhas, como a de arroz, amêndoas, linhaça, amido de milho, fécula de mandioca e batata, entre outras. Cada um desses ingredientes é usado para conferir um determinado ponto nas receitas, a fim de igualar ou até superar a qualidade das receitas com trigo.

A utilização das farinhas sem glúten acaba deixando o produto mais caro, devido ao fato dos ingredientes terem um custo maior e de a produção possuir uma escala menor. Se, por um lado, degustar uma coxinha ou uma empada é algo pouco comum na vida de um celíaco, por outro, a simples ocasião de sair para comer essas delícias torna-se um momento muito especial.

Pensando em proporcionar esses momentos, a nutricionista Ana Paula Damasceno, 33, decidiu abrir uma loja voltada para este segmento, na zona centro-sul de Belo Horizonte. Ela descobriu ser celíaca em 2005 e teve muita dificuldade de se adaptar à nova rotina: já passou mal diversas vezes devido a ingestão de alimentos com traços de trigo. A escassez de produtos destinados a pessoas com a doença serviu de motivação para que ela abrisse um espaço totalmente sem glúten.

Ana Paula Damasceno promove inclusão através da alimentação (Foto: Augusto Albertini)

A loja ganhou o carinhoso nome de “Amora Pistache” e, além dos biscoitos, pães e bolos para o café da manhã, lá é possível encontrar massas, doces, lanches, refeições e até cervejas para as ocasiões de comemoração. “Minha vontade foi de trazer o maior número de produtos em um lugar só, para ele (o cliente) não ter que ficar se deslocando”, disse Ana Paula.

De acordo com a lojista, as previsões para este mercado indicam crescimento das vendas de produtos sem glúten, já que cada vez mais pessoas optam por excluí-lo da dieta, seja por necessidade ou pela opção de levar uma vida mais saudável. “No início era bem deficiente, mas tem crescido bastante. Hoje vemos muitas empresas, o mercado é promissor nesta área.”, concluiu.

Onde encontrar alimentos sem glúten

Amora Pistache
Av. Brasil, 1584 – Funcionários, Belo Horizonte – MG

Lista de marcas colaboradoras da Acelbra-MG

www.acelbramg.com.br

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Likes:
5 0
Views:
182
Article Categories:
Acontece