Origem e curiosidades sobre os pratos típicos da ceia natalina

Na ceia de Natal, uma mesa farta é posta para celebrar a data. Familiares e amigos se reúnem em torno dela para confraternizar, agradecer pelo ano que passou e pedir que um novo ciclo se inicie com paz, saúde e prosperidade. Mas, você já se perguntou de onde vem a tradição de servir alguns pratos típicos dessa época? O Territórios Gastronômicos pesquisou a origem e as curiosidades em torno de algumas receitas.

Na ceia de Natal, uma mesa farta é posta para celebrar a data. Familiares e amigos se reúnem em torno dela para confraternizar, agradecer pelo ano que passou e pedir que um novo ciclo se inicie com paz, saúde e prosperidade. Mas, você já se perguntou de onde vem a tradição de servir alguns pratos típicos dessa época? O Territórios Gastronômicos pesquisou a origem e as curiosidades em torno de algumas receitas.

Por Isabel de Andrade*

Peru de Natal

Foto: Pixabay

A tradição de servir peru no Natal foi importada dos Estados Unidos e está ligada ao Dia de Ação de Graças. Por lá, a data é comemorada em novembro e significa o momento em que as pessoas se reúnem para celebrar as bênçãos recebidas no último ano.

A mesa é sempre farta e não pode faltar o peru, que é o prato principal do cardápio. No Brasil, ele costuma ser substituído também por outras opções como chester e o tender.

Lombo e pernil

Foto: Pixabay

As carnes de porco são muito consumidas no almoço ou jantar de Natal. A tradição, em parte, vem da crença de que esse tipo de prato ajuda a trazer prosperidade. É que, de acordo com a superstição, não se deve comer nesse período de festas carne de animais que ciscam para trás, como o frango. É que, assim, a vida não vai para frente. Por via das dúvidas, muita gente opta por servir lombo ou pernil.

Rabanada

Foto: Pixabay

A tradição da rabanada tem origem em Portugal, mais precisamente no Dia da Consoada, que é celebrado em 24 de dezembro. A sobremesa é feita com sobras de pão polvilhadas com açúcar. Reza a lenda que os portugueses também tinham o hábito de servir a rabanada às mulheres que davam à luz para que pudessem produzir mais leite. Por isso, ela é conhecida também como fatia de mulher parida.

Nozes, castanhas e avelãs

Foto: Pixabay

O fim do outono e início do inverno é o período de maior produção dos frutos secos, que são nativos da Europa e Ásia. Por causa da sazonalidade, costumavam ser servidos na ceia de Natal. O costume chegou até nós. As nozes, castanhas e avelãs são consumidos separadamente ou incorporados como ingredientes de várias receitas típicas dos pratos natalinos

Frutas

Foto: Pixabay

O costume de servir frutas frescas durante a ceia de Natal está ligado aos costumes indígenos e africanos, que exerceram uma grande infuência na culinária brasileira. Já a utilização de frutas cristalizadas e uvas-passas é de origem mediterrânea.

Panetone

Foto: Pixabay

O panetone foi criado em Milão, na Itália. O pão de massa fermentada com frutas cristalizadas é uma tradição muito presente no Natal em vários países do mundo.

Há várias lendas que explicam o surgimento da sobremesa. Uma delas garante que um jovem muito rico se apaixonou pela filha de um padeiro, que não aceitava o namoro. Para se aproximar da moça, ele passou a trabalhar na padaria. Criou, então, um pão diferente com frutas cristalizadas que tinha o formato da cúpula de uma igreja. A iguaria fez muito sucesso e o jovem espalhou que ela havia sido criada pelo padeiro, o Senhor Toni. Daí, ele ficou conhecido como pane del Toni ou panetone.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.