Chapa mineira de fígado com jiló vai para o Guinness Book

A maior chapa de fígado com jiló do mundo é mineira. Ela foi montada durante o Festival Cultural do Mercado Central em 2018. O título foi concedido pelo Guinness World Records esta semana.

A maior chapa de fígado com jiló do mundo é mineira. Ela foi montada durante o Festival Cultural do Mercado Central em 2018. O título foi concedido pelo Guinness World Records esta semana.

Por Isabel de Andrade*

O fígado com jiló, um dos símbolos da gastronomia no Mercado Central, importante ponto turístico da capital mineira, garantiu o seu lugar no Guinness World Records. O título de maior chapa de fígado com jiló do mundo foi conquistado em 2018 durante o Festival Cultural.

A façanha foi envolvida por enormes proporções. Doze chefs, além dos chapeiros, cuidaram da iguaria. Flávio Trombino, Edson Puiati, Eduardo Avelar, Rosilene Campolina, Marcos Proença, Jaime Solares, Ivo Faria, Rodrigo Zarife, Ilmar Antônio de Jesus, Valdez Maranhão, Ronaldo Marques da Silva e Wellington Paulo Nunes, foram os chefs responsáveis pelo preparo do prato.

A quantidade de ingredientes foi impressionante: 400 quilos de fígado, cerca de 100 quilos de jiló e uma chapa com extensão de 16 metros de comprimento. A chapa foi montada na Avenida Augusto de Lima entre as ruas Curitiba e Santa Catarina. Na época, a atividade foi inscrita no livro dos recordes. A intenção do presidente do Mercado Central, Geraldo Henrique Figueiredo Campos, era mesmo fazer a maior chapa do mundo. A resposta veio dois anos depois e o resultado acaba de ser divulgado.

A chapa onde o fígado com jiló foi preparado tinha 16 metros de extensão ( Foto: divulgação)

Um dos principais pontos para conquista do título foi a valorização da cultura e gastronomia local, utilizando ingredientes regionais, como explica o chef Michel Douglas Duda, que participou do evento ainda enquanto aluno. “Foi uma sensação maravilhosa, senti que além de representar nosso país, estava valorizando meu estado, minha cultura e minhas raízes por meio da gastronomia. Para mim, trata-se da valorização da cultura alimentar do nosso berço, que é Minas gerais”, diz.

Segundo o presidente do Mercado Central, o fígado acebolado foi um prato que surgiu na década de 1960, quando os entregadores chegavam ao trabalho muito cedo e com fome. Eles costumavam pegar os jilós nas lojas, levavam até os bares e pediam aos chapeiros para fazer uma porção com os miúdos de carnes. Mais tarde, na década de 1980, o tira-gosto caiu conquistou adeptos e se tornou uma tradição nos bares do Mercado.

A professora do curso de Gastronomia da Una Rosilene Campolina foi a única chef mulher a participar da chapa. “Foi uma sensação de orgulho e, ao mesmo tempo, de responsabilidade porque representei o segmento feminino dentro da gastronomia, que muitas vezes é esquecido. Tive que dar conta do recado por estar ao lado de vários outros chefs que são grandes nomes da gastronomia”, lembra.

Chef Rosilene Campolina foi uma das convidadas para preparar a chapa gigante de fígado com jiló (Foto: divulgação)

Para os especialistas, o título de maior chapa de fígado com jiló do mundo concedido pelo Guinness Book gera reconhecimento profissional e da cultura local, uma vez que cria uma repercussão mundial, proporcionando uma posição de abertura, potencializando o turismo, fomentando a economia e valorizando ainda mais a gastronomia mineira. “Enquanto docente, avalio o reconhecimento como uma forte referência para os alunos, mostrando-os como algo ‘nosso’, genuíno, que muitas vezes é popular, mas pode se tornar sofisticado”, finaliza Rosilene.

Veja o vídeo e relembre como foi a montagem da chapa gigante de fígado com jiló em 2018.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Likes:
0 0
Views:
346
Article Categories:
Acontece